Castellano | Portugües | English

Perfil de usuario - Marilia Roggero



Nombre(s) Marilia
Apellidos(s) Roggero
EMAIL marilia.roggero109du@a@s.125usp.br
Participa como: Expositor
Mesa de exposición Gestión y Ordenamiento Territorial, políticas públicas y desarrollo sustentable
Título de presentación/poster RISCO E VULNERABILIDADE SOCIOAMBIENTAL, ANÁLISE DE SITUAÇÃO DE SAÚDE E IMPLICAÇÕES NA QUALIDADE DE VIDA NO MSP
Palabras clave Risco e vulnerabilidade socioambiental, análise de situação de saúde e implicações na qualidade de vida no MSP
Resumen de presentación:

O município de São Paulo (MSP) junto a Região Metropolitana constitui-se o maior complexo urbano da América Latina, com uma população de aproximadamente 12 milhões de habitantes. Essas informações iniciais constituem-se por si só indicadores importantes da complexidade imbuída à essa grande área urbana no tocante aos riscos socioambientais.
Pensando em atingir cidades mais sustentáveis, algo que converge aos objetivos do desenvolvimento sustentável da Organização das Nações Unidas em sua Agenda 2030, o MSP ainda apresenta grandes desafios nesse sentido, caracterizando-se ainda por grande “insustentabilidade”, pois verifica-se a prevalência de um processo de expansão e ocupação caracterizadas por baixa qualidade ambiental, que consequentemente proporciona baixa qualidade de vida à parcelas significativas da população, muitas vezes expostas aos riscos socioambientais e de saúde.
Os resultados do censo demográfico IBGE (2010) associados a diversos estudos que trabalham com indicadores socioambientais demonstram que ao longo dos anos o MSP assim como demais áreas urbanas do país melhoraram em alguns aspectos de forma significativa; como em transporte, abastecimento de água, entretanto, o fato das políticas públicas na área habitacional ainda serem incipientes verifica-se uma ampliação de áreas periféricas marcadas pela ilegalidade e clandestinidade classificadas nas pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE como aglomerados subnormais. Essa ilegalidade, clandestinidade e precariedade evidencia e exacerba os problemas ambientais, de saúde e a qualidade de vida e simultaneamente correlacionadas com encostas íngremes, beira de córregos/rios (APPs), áreas inundáveis, que intensificam a vulnerabilidade socioambiental, bem como os riscos associados.
Neste sentido, o presente artigo visa elaborar uma análise do MSP via indicadores sociais, ambientais e de saúde evidenciando os problemas acima colocados datados pelo IBGE, da Secretaria de Desenvolvimento Urbano do MSP, da Secretaria de Saúde do MSP e da Fundação SEADE. Para tanto, como proposta metodológica faz-se necessária a revisão bibliográfica bem como coleta de dados secundários, visando a construção de um rol de indicadores socioambientais e de saúde.
Além disso, no contexto da análise dos dados construídos, o corpo teórico da pesquisa será norteado com os conceitos de risco e vulnerabilidade socioambiental, processo-saúde doença, analise de situação em saúde e qualidade de vida e sustentabilidade urbana e ambiental. Como resultados esperados, tem-se na coleta de dados e construção dos indicadores, uma metodologia de análise de gestão e ordenamento territorial do MSP e, ao mesmo tempo, propositivas para a complexidade dos conceitos aqui mencionados.

Ciudad São Paulo
Grado académico PhD
Intereses:

Institución(es) USP
Estudios académicos: Indicadores sociais e qualidade de vida urbana
Trabajos enviados
  1. VULNERABILIDADE SOCIOAMBIENTAL, ANÁLISE DE SITUAÇÃO DE SAÚDE E INDICADORES: IMPLICAÇÕES NA QUALIDADE DE VIDA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
_ ...

- - -